Os 30 Melhores Livros de Fantasia de Todos os Tempos

Os melhores livros de fantasia nos mostram o mundo de outra forma, e cada um deles cria um universo único de personagens e histórias. Esperamos que você goste de explorá-los nesta lista dos melhores livros de fantasia de todos os tempos.

Organizamos a lista em ordem cronológica, mostrando os livros desde o mais antigo até o mais atual. Confira a nossa lista a seguir!

Conteúdo mostrar

30 Melhores Livros de Fantasia em Ordem Cronológica

1. Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll (1865)

 Alice no País das Maravilhas (Classic Edition)

Carroll escreveu histórias que desafiavam a lógica, distorcendo-as em formas oníricas e fantásticas: uma lagarta fumando narguilé, um campo de croquet cheio de flamingos, um coelho branco perpetuamente atrasado. O resultado foi Alice no País das Maravilhas, que encantou adultos e crianças desde que foi publicado há mais de um século e meio – e hoje é reconhecido como uma importante incursão inicial no gênero de fantasia como um todo.

2. A Filha do Rei de Elfland, de Lorde Dunsany (1924)

 A Filha do Rei de Elfland

A Filha do Rei da Terra dos Elfos é um conto de fadas com raízes profundas e sombrias – e com uma história de amor emocionante e comovente. É também um romance sobre as tentativas de uma princesa élfica de lidar com seu senso de identidade fraturado enquanto ela se ajusta à terra natal de seu amado marido humano. Outra entrada notavelmente precoce no gênero de fantasia, este livro levou Arthur C. Clarke a nomear Dunsany como um dos maiores escritores de seu século, e a vencedora do World Fantasy Award (Prêmio Mundial da Fantasia) , Jane Yolen, a chamá-lo de “o bisavô de todos nós”.

3. O Hobbit, de J. R. R. Tolkien (1937)

 O Hobbit + pôster

Pode ser um livro mais voltado ao gênero infanto-juvenil, mas O Hobbit oferece aos leitores adultos um dos protagonistas mais relacionáveis ​​dos livros de fantasia: uma pessoa caseira de meia-idade que só quer relaxar. O icônico Bilbo Bolseiro fala com todos os adultos introvertidos que gostam de nada mais do que uma boa refeição e uma cadeira aconchegante. Mas todos esperamos encontrar um pouco de heroísmo semelhantes ao de Bilbo dentro de nós, que deve partir em uma perigosa jornada pela Terra Média.

4. A Espada na Pedra, de T. H. White (1938)

 A Espada na Pedra - Volume 1. Série O Único e Eterno Rei

Todos sabemos o que acontece depois que o Rei Arthur tira a espada da pedra; A Espada na Pedra dá uma olhada no que acontece antes. Previsivelmente, é muito menos glamoroso. Nessa narrativa, o monarca era apenas um garoto chamado Wart – provocado por seu irmão adotivo Kay e submetido a lições que faria qualquer aluno moderno estremecer. Mas a educação de Wart não envolve cálculo ou gramática, e seu professor, Merlyn, prefere instruir transformando seus alunos em animais.

5. As crônicas de Nárnia – O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, de C.S. Lewis (1950)

 As crônicas de Nárnia - O leão, a feiticeira e o guarda-roupa: O leão, a feiticeira e o guarda-roupa: 2

Quando os quatro irmãos Pevensie deixam Londres devastada por bombas para esperar o fim da Segunda Guerra Mundial no campo, eles descobrem um portal para a terra mágica de Nárnia atrás dos casacos em um guarda roupa. Mas seu novo local de férias mágico sofre é governado por uma bruxa cujas únicas decisões políticas são garantir o inverno eterno sem a alegria do Natal. Os Pevensies têm que expulsá-la – com a ajuda de um leão falante! Se você é um aficionado por fantasia, já sabe que o leão é um substituto cristológico e que O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa é uma crônica sobre redenção, sacrifício e fé. Mas você não precisa ter fé para querer aparecer em Nárnia por uma ou duas horas.

6. O mestre e Margarida, de Mikhail Bulgakov (1966)

 O mestre e Margarida

Como os cinco primeiros livros desta lista, O Mestre e Margarita é frequentemente considerado um dos melhores romances do século XX. Ao contrário deles, definitivamente não é para crianças. Escrito no auge da repressão stalinista, ele entrelaça duas vertentes narrativas: uma narrativa sutil sobre a morte de Cristo, e outra, uma sátira diabólica sobre a vida intelectual soviética.

7. O feiticeiro de Terramar, de Ursula K. Le Guin (1968)

 O feiticeiro de Terramar (Ciclo Terramar – Livro 1)

Em um denso aglomerado de ilhas, habitadas por dragões e erguidas da água por um deus, a mestra fantasista Ursula K. Le Guin conta histórias elegantes e com personagens bem desenvolvidos, enriquecidas por seu conhecimento da mitologia mundial. Seu primeiro capítulo na série Terramar, O Feiticeiro de Terramar, é um romance de formação, mas cheio de feitiçaria: uma narrativa mágica sobre amadurecimento que trata de temas pesados ​​como morte, meio ambiente e equilíbrio cósmico.

8. O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, de J.R.R. Tolkien (1968)

 O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel

O Senhor dos Anéis deixou sua marca no DNA da alta fantasia mais do que qualquer outro livro. Como O Hobbit, cujo enredo antecede O Senhor dos Anéis, A Sociedade do Anel é uma história que gira em torno de personagens corajosos, e que fala de temas como bravura e lealdade, a partir de uma inteira mitologia criado por este genial autor. Sua influência para o gênero é absoluta, e até hoje este livro é considerado um dos melhores livros de fantasia já escritos.

9. Em busca de Watership Down, de Richard Adams (1972)

 Em busca de Watership Down

Se você não acha que uma toca de coelhos pode ser razoavelmente descrita como fantasia épica, claramente você nunca leu Watership Down. Esta emocionante história de aventura tem de tudo: guerreiros e visões, fugas angustiantes e mortes comoventes – porém os personagens principais têm pelos macios e orelhas grandes. Quando a invasão humana em seu ambiente ameaça seu modo de vida, os coelhos reagem da mesma forma que qualquer grupo de nobres guerreiros que se preze: indo em uma missão.

10. A Princesa Prometida, de William Goldman (1973)

 A Princesa Prometida

Além de sua adaptação icônica para o cinema, o romance de Goldman é mais famoso por sua estrutura encantadoramente complicada: a história central lida com um garoto da fazenda chamado Westley, uma nobre chamada Buttercup e os muitos obstáculos coloridos – e hilários – que impedem seu amor. De acordo com as extensas notas de rodapé (fictícias) de A Princesa Prometida, esse romance foi extraído do conto de infância favorito de Goldman, que seu pai sempre leu em voz alta para ele. Anos mais tarde, quando ele finalmente leu por si mesmo, ele descobriu que seu pai se desviou bastante do texto… mas a emocionante história de aventura que resultou foi ainda melhor.

11. A Espada de Shannara, de Terry Brooks (1977)

 A Espada de Shannara. Trilogia a Espada de Shannara - Livro Um

A fantasia de Terry Brooks de 1977 se passa no noroeste estadunidense pós-holocausto nuclear, no qual os humanos sobreviventes divergiram em cinco espécies: Homens, Anões, Gnomos, Trolls e Elfos. A trama se concentra em Shea Ohmsford, um menino meio-elfo destinado a usar uma espada lendária contra um temido Lorde Bruxo. Graças a essa premissa pós-apocalíptica, A Espada de Shannara entrelaça fantasia com ficção científica; pode-se dizer que retrata a fantasia como resultado da ficção científica, violência inimaginável produzindo um futuro que parece uma visão encantada do passado.

12. Kindred: laços de sangue, de Octavia E. Butler (1979)

 Kindred: laços de sangue

Kindred foi descrito como uma “narrativa sobre escravidão usando uma estrutura de ficção científica” – uma designação que efetivamente engloba a complexidade temática do livro. A própria autora, no entanto, chamou Kindred de “uma espécie de fantasia sombria”. De fato, sua protagonista que viaja no tempo, uma jovem negra chamada Dana, encontra-se oscilando entre Los Angeles de 1976 e Maryland de 1815. No sul pré-guerra, ela acaba na companhia de seus próprios ancestrais – uma mulher escravizada chamada Alice e um proprietário de escravos chamado Rufus. A prosa de Butler e o domínio dos detalhes psicológicos retratam o custo humano da escravidão com uma clareza devastadora.

13. O Pistoleiro, de Stephen King (1982)

 O Pistoleiro Série A Torre Negra - Livro 1

Stephen King é mais conhecido por histórias com perseguidores e palhaços assassinos. Mas o Pistoleiro prova que também tem um dom para a fantasia – só não espere que seja leve e fofo! Este romance vem de uma ampla paleta de influências, de westerns de cowboys à poesia de Robert Browning. O herói, Roland de Gilead, empunha sua arma em busca de um sombrio Homem de Preto que é tão perigoso quanto misterioso, com o poder de invocar demônios e ressuscitar os mortos. Felizmente ou não, Roland não está sozinho em sua busca; ele encontra um companheiro de viagem, Jake Chambers, um estudante do nosso mundo.

14. As brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley (1983)

 As brumas de Avalon: O clássico que encantou gerações - 2ª Edição

A releitura mais influente da lenda do Rei Artur desde A Espada e a Pedra, este romance nitidamente observado transforma um olhar feminista em contos antigos. As Brumas de Avalon centra-se na meia-irmã feiticeira de Arthur, Morgana – mais conhecida como Morgana le Fay. Uma sacerdotisa pagã de Avalon abençoada com clarividência, ela está preocupada com a invasão de missionários cristãos na terra que ela ama. Sua cunhada Gwenhwyfar, por sua vez, surge como seu oposto: uma cristã devota e cada vez mais fanática. O embate ideológico entre elas representa um conflito muito maior, que o livro retrata sem reservas com toda a tragédia sombria da lenda original.

15. O castelo animado, de Diana Wynne Jones (1986)

 Box O castelo animado

Maravilhosamente trazido à vida pelo anime do Studio Ghibli de mesmo nome, O Castelo Animado combina capricho e pungência na tradição da melhor ficção infantil – e não economiza nas referências, indo de Shakespeare a Lewis Carroll. A história começa com Sophie Hatter, de 18 anos, que parece condenada a uma vida de trabalho na chapelaria da família. Mas quando ela envelhece várias décadas pela maldição de uma bruxa, uma Sophie repentinamente idosa encontra seu caminho para um castelo em movimento governado pelo excêntrico mago Howl, cujo servo demônio do fogo é a chave para restaurar sua juventude.

16. Good Omens: Belas Maldições, de Neil Gaiman (1990)

 Good Omens: Belas Maldições

O fim do mundo nunca foi tão engraçado. Este livro perverso e comovente combina os talentos de Terry Pratchett e Neil Gaiman. Pegue este time dos sonhos, adicione 50% mais risadas do que você acha que é possível e você terá Good Omens. O livro faz uma releitura do Apocalipse. O Anticristo do livro, Adão, é humano e irresistivelmente simpático. Mas as verdadeiras estrelas do livro são o agitado anjo Aziraphale e o demônio Crowley, que roubam o show com sua amizade improvável – e seus esforços desonestos para evitar o Armageddon.

17. Entrevista com vampiro, de Anne Rice (1994)

 Entrevista com vampiro ( EDIÇÃO CAPA DURA)

Assombroso, sexy e sombrio, o romance gótico de Anne Rice abriu o caminho para Crepúsculo – só não espere que seus vampiros brilhem. Entrevista com o Vampiro centra-se em Louis, de 200 anos, cansado do mundo, que se vê contando sua história de vida a um repórter iniciante. Enquanto ouvimos a entrevista, conhecemos os interessantes personagens que moldaram a longa vida após a morte de Louis: seu amante cruelmente carismático Lestat – o vampiro que o transformou – e sua trágica “filha” Claudia, cuja forma eternamente infantil não pode conter sua afiada sagacidade e raiva adulta.

18. O aprendiz de assassino, de Robin Hobb (1995)

 O aprendiz de assassino: 1

Um exemplo impressionante de fantasia épica, Aprendiz de Assassino nos apresenta o filho ilegítimo de um príncipe chamado Chilvary, o menino chamado Fitz cresce solitário. Se ele quer companhia, ele prefere usar o Wit – sua ligação telepática com os animais – em vez de falar com outro humano. Mas quando seus parentes poderosos finalmente o convocam para a corte, Fitz é forçado a mudar seus modos selvagens – e logo começa a treinar como assassino para o novo governante, Shrewd.

19. A bússola de ouro, de Philip Pullman (1995)

 A bússola de ouro

Esta fantástica fantasia YA abre a trilogia Fronteiras do Universo, que pode ser descrita como a anti-Nárnia: um monumento literário ao humanismo secular. Esta primeira parte se concentra em Lyra Belacqua, uma órfã criada por um comitê de tutores em Oxford. Seu mundo fantástico é trabalhado por Pullman com todo o cuidado hábil de um pintor renascentista, colocando nos detalhes, traço por traço. Talvez o mais emocionante seja que aqui haja daemons: almas externalizadas que seguem cada pessoa em forma animal. O daemon de Lyra, Pantalaimon, é um dos personagens mais adoráveis ​​(e importantes) do livro – e depois de ler A Bússula de Ouro, você definitivamente vai querer o seu.

20. A Guerra dos Tronos, de George R. R. Martin (1996)

 A Guerra dos Tronos : As Crônicas de Gelo e Fogo, volume 1

Enquanto esperamos G.R.R. Martin terminar a sexta parte de sua longa série, vale a pena revisitar o livro que fez seu nome – e deu nome ao programa que trouxe a série para a TV. Martin nos dá um cenário quase medieval tão rico em magia quanto a Terra-média, embora funcione com realpolitik cínica em vez de coragem silenciosa do mundo de Tolkien. Neste mundo sombrio, o inverno está chegando, as dívidas devem ser pagas e personagens nobres podem ter mortes feias e sem sentido a qualquer momento.

21. Harry Potter e a pedra filosofal, de J.K. Rowling (1997)

 Harry Potter e a pedra filosofal

Se você precisa de um resumo deste livro, você tem vivido sob uma rocha nas últimas décadas. Ame-os ou odeie-os, a série Harry Potter moldou os millennials mais do que qualquer outro fenômeno da mídia, criando uma geração de leitores ávidos inclinados a questionar a autoridade, e foi uma das séries de livros mais vendidas de todos os tempos.

O Menino Que Sobreviveu agora está se aproximando da meia-idade – nascido canonicamente em 1980, ele tem apenas cerca de 40 anos agora. Mas como o livro que deu início à série, Harry Potter e a Pedra Filosofal continua tão influente como sempre, com as casas de Hogwarts sendo uma fonte de identidade tão legítima quanto os signos do zodíaco.

22. Estação Perdido, de China Miéville (2000)

 Estação Perdido

Com uma mistura inebriante de tecnologia vitoriana, magia negra e crime organizado, este livro de tirar o fôlego passa por diversos gêneros. Estação Perdido se passa na cidade steampunk de Nova Crobuzon, onde os humanos convivem com outras espécies estranhas e inteligentes. Mas essa coexistência pacífica é ameaçada quando um experimento alucinógeno desencadeia o slakemoth: um monstro devorador de mentes. Enquanto tentam salvar a cidade, o protagonista Isaac e seus amigos logo se vêem puxados para o submundo da política de Nova Crobuzon, descobrindo mais do que jamais queriam saber sobre sua cidade bizarra.

23. Deuses Americanos: (American Gods), de Neil Gaiman (2001)

 Deuses Americanos: (American Gods)

Uma década depois de Good Omens, Neil Gaiman voltou ao mundo da fantasia religiosa com este magnífico trabalho solo. Deuses Americanos mistura lendas antigas com uma sensibilidade noir moderna – é povoado de divindades e condenados, e as distinções entre eles nem sempre são claras. Em seu centro está Shadow Moon, um ex-presidiário viúvo que se torna empregado de um vigarista chamado Mr. Wednesday. Eles fazem uma boa e antiquada viagem pelos EUA – mas Shadow logo descobre que sua jornada pelo país não é tudo o que parece ser.

24. Jonathan Strange & Mr. Norrell, de Susanna Clarke (2004)

 Jonathan Strange & Mr. Norrell

De vez em quando, você encontra uma voz de tal talento e originalidade que se destaca como um sinal de fogo contra a noite. No mundo da fantasia, Susannah Clarke é essa voz. Sua obra-prima, Jonathan Strange & Mr Norrell, é uma história alternativa da Inglaterra durante as Guerras Napoleônicas, combinando ficção gótica com comédia de costumes para reinterpretar mitos românticos do passado inglês. Depois de uma década inteira sendo escrito, foi catapultado direto para a lista de best-sellers do The New York Times.

25. O nome do vento, de Patrick Rothfuss (2007)

 O nome do vento – Edição luxo (A Crônica do Matador do Rei – Livro 1)

O Nome do Vento possui outra narrativa complexa, que transforma toda a obra em uma reflexão sobre a importância de contar histórias. É contada como uma autobiografia fictícia cujo tema – e narrador – é o lendário herói cultural Kvothe, vivendo incógnito no início do romance como um humilde estalajadeiro. Mas seu disfarce foi descoberto após o aparecimento, em carne e osso, de um demônio há muito relegado ao reino dos mitos.

26. Os magos, de Lev Grossman (2009)

 Os magos

Este romance de alta fantasia segue um estudante do ensino médio chamado Quentin, que encontra seu caminho para a faculdade de magia a caminho de sua entrevista em Princeton. Mas não há partidas de Quadribol ensolaradas em Brakebills: em vez disso, o currículo gira em torno da filologia clássica e da memorização das posições mágicas das mãos. De fato, entre isso e seu tratamento franco da sexualidade e da saúde mental, Os Magos tem sido frequentemente apontado como um “Harry Potter para adultos”. E se você é mais Corvinal do que Grifinória, pode se pegar sonhando acordado com Brakebills em vez de Hogwarts.

27. Os cem mil reinos, de N. K. Jemisin (2010)

 Os cem mil reinos (Vol. 1 Trilogia Legado)

Os Cem Mil Reinos foi o livro que iniciou a carreira de N. K. Jemisin . Ele começa assim: após a morte de sua mãe, uma mulher chamada Yeine Darr é convocada para a cidade flutuante de Céu e informada de que ela é descendente do rei. Mas por parte de pai, ela pertence aos Darre – um povo considerado bárbaro pelos parentes de sua mãe. Essa revelação a puxa para uma luta de sucessão e identidade, na qual Yeine deve navegar enquanto tenta resolver o misterioso assassinato de sua mãe.

28. O gigante enterrado, de Kazuo Ishiguro (2015)

 O gigante enterrado

O ganhador do Prêmio Nobel Kazuo Ishiguro escreveu esta fantasia pós-arturiana ao longo de uma década. O resultado valeu a pena esperar: a crítica brilhante do The Guardian o saudou como “Game of Thrones com consciência”. No centro do livro está um casal de idosos chamado Axl e Beatrice, aldeões britânicos que vivem em um mundo onde o Rei Arthur morreu, deixando para trás uma paz aparentemente durável. Mas todos na vila de Axl e Beatrice continuam sofrendo: não por conflito armado, mas pela névoa, uma amnésia que parece ter comido todas as suas memórias de um filho que eles certamente perderam.

29. A Quinta Estação, de N. K. Jemisin (2015)

 A Quinta Estação: 1

A Quinta Estação talvez seja o trabalho mais completo de N.K. Jemisin, combinando sua marca registrada de complexidade psicológica com um mundo ultra-imersivo e um sistema mágico com surpreendente originalidade. Ele se passa em um supercontinente semelhante à Pangeia chamado Quietude – um nome irônico, já que a terra é devastada periodicamente por terremotos. Por causa disso, a Quietude é um lugar perigoso para os orogenes, que têm a capacidade de controlar terremotos e canalizar a temperatura. Atacados por multidões por causa de seus poderes perigosos, os orogenes raramente chegam à idade adulta. Mas aqueles que sobrevivem – geralmente escondendo suas habilidades – são levados para um centro de treinamento chamado Fulcrum, onde encaram outros desafios.

30. Nona casa, de Leigh Bardugo (2019)

 Nona casa

Para qualquer um que já tenha ficado intrigado com as misteriosas sociedades secretas da Ivy League, Nona Casa é o romance para saciar sua imaginação. Começa com Alex Stern, de 20 anos, que consegue ver fantasmas e é único sobrevivente de um homicídio brutal, recebendo uma bolsa de estudos integral para estudar em Yale – sob a condição de que ela use seus poderes de percepção espiritual para monitorar as oito Casas da Universidade da universidade. Como parte da nona casa titular, Alex deve trabalhar para descobrir os abusos mágicos dessas organizações ocultas – mas o que ela não sabe é como as coisas ficarão sombrias e o quão profundamente envolvida ela já está.

Compartilhe:

Anúncio Kindle Unlimited

30 comentários em “Os 30 Melhores Livros de Fantasia de Todos os Tempos”

Deixe um comentário